Newsletter
Informativos
Visualizar no navegador | Enviar para um amigo
 
 

O mundo que queremos no pós-coronavírus

Olá, como vai?!

Confira abaixo o artigo "O mundo que queremos no pós-coronavírus", escrito por Antônio Rogério Magri e José Raimundo de Oliveira.

Ótima leitura!

Beijos,

Sandra Campos
Editora da Revista EasyCoop
www.easycoop.com.br
Celular 11-948-137-799

O mundo que queremos no pós-coronavírus

Não temos dúvidas de que não seremos os mesmos depois dessa onda epidêmico-viral que se espalhou com extrema rapidez pelo globo terrestre. E nem entramos aqui nos aspectos das relações sociais, ou dos valores éticos e morais intrínsecos ao capitalismo. Mudanças estão acontecendo e outras virão depois da pandemia.

Porém, em que pese o modelo econômico neoliberal ter sido colocado em xeque, pois   mostrou toda a sua fragilidade diante da coronacrise, diversas atividades estatais que haviam sido privatizadas sob o disfarce de concessão estão por necessidade sendo retomadas sob a égide do Estado.

Não significa, pois, que os defensores do mercado, principalmente o sistema financeiro, aceitem de bom grado essas mudanças em caráter permanente exceto aquelas que são do seu interesse. Elas se dão e se darão no âmbito da luta de classes e a correlação de forças será, neste como em outros casos, o fator determinante com vistas apontar qual será o rumo que essas mudanças irão tomar.

Todavia, se quisermos exercer algum protagonismo nesse processo será preciso muita luta e, para tanto, caberá aos movimentos sociais - com destaque ao sindicalismo – ter a devida clareza no sentido de fazê-lo convergir para o nosso lado por meio de um projeto político próprio. Inclusive com vistas a revogar medidas que, no Brasil, ferem gravemente os direitos e que, em função da pandemia provocada pelo coronavírus, algumas dessas foram apenas amenizadas, porém não rescindidas, e outras inseridas com consequências catastróficas para a classe trabalhadora.

Ressalte-se, entretanto, que o segmento patronal, aproveitando-se da crise instalada, vai querer perpetuar muitas dessas medidas tidas como emergenciais que são do seu interesse particular e não do conjunto da sociedade. Exemplo: as regras da Medida Provisória (MP) 936/2020 que precarizam ainda mais a vida dos trabalhadores estabelecendo a suspensão do contrato de trabalho com redução de salário em proporção extremamente injustas e impostas de forma individual, em vez da negociação coletiva, como determina o Artigo 7º, Inciso XXVI, da Constituição Federal. É uma forma de garantir a reprodução ampliada do capital (com a redução do valor da mão de obra) agora e após essa onda.  Muitos dos aspectos inseridos na dita MP e previstos para durar dois meses poderão permanecer, bem como a ajuda financeira às grandes empresas, com destaque aos bancos.

Por outro lado, torna-se fundamental lutar pela completa reestatização de serviços essenciais, como, por exemplo, a saúde pública que caminha para o completo sucateamento e, em consequência, a sua privatização.

Todavia, diante da gravidade gerada pelo coronavírus, economistas e governos reconhecidamente neoliberais, defensores do estado mínimo, tiveram que retroceder em diversos aspectos. Em países como os Estados Unidos, França e Itália, deu-se um verdadeiro cavalo-de-pau de 180 graus. Pois nessas horas, como em outras passadas, os problemas somente se resolvem com o Estado à frente do processo.

Acreditar que por si as coisas mudarão não passa de um terrível engano. Os que possuem dinheiro e vêm ganhando com o desmonte do Estado e a precarização da força de trabalho não vão de modo algum querer abrir mão disso. Somente a luta organizada e, dependendo da situação, radicalizada, (sem peleguismo) fará a diferença.

Como disse alguém entendido no assunto, duas questões fundamentais o coronavírus escancarou: 1) quem de fato gera riqueza não sãos as maquinas, as tecnologias (informática, robótica, etc.), mas a força de trabalho; 2) o capital não vive sem o Estado.

Os endinheirados têm procurado de todas as maneiras negar aos trabalhadores o acesso ao Estado, vez que, apropriando-se politicamente do controle da máquina pública, agem visando desmontar direitos fundamentais (incluindo o aparato social protetivo essencial para assegurar  cidadania aos que produzem a riqueza), além de  atuar objetivando atrair para si parcelas cada vez maiores do Orçamento público. Esse tipo de apropriação é hoje, aqui e em boa parte do mundo, a principal fonte de enriquecimento dos já muito ricos.

Ainda que esteja demonstrado que o modelo econômico neoliberal fracassou ele não desaparecerá por si. Sendo uma minoria a parcela detentora do capital, a tendência é concentrar cada vez mais a riqueza em poucas mãos gerando desigualdade e, consequentemente, mais exploração e miséria. Damos ainda como exemplo a crise financeira mundial de 2008. Achava-se naquele momento que o neoliberalismo estaria morto e não foi o que aconteceu. Após salvar empresas e bancos e estabelecer algum tipo de regulamentação ao capital financeiro, o que se viu foi o Estado mais uma vez se retirando das suas funções primordiais e o mercado (que não é  de modo algum distributivista, solidário) reocupando parte do espaço que no momento da crise ele havia perdido.

Portanto, sem a luta organizada da classe trabalhadora e com um projeto sobre onde se pretende chegar, inclusive tendo nessa pauta a conquista do Estado, as coisas tenderão a piorar. Precisamos muito pensar sobre o que é preciso fazer.  Até porque a história não perdoa os que se atrasam.

Antônio Rogério Magri - Consultor sindical e ex-ministro do Trabalho e Previdência Social.

José Raimundo de Oliveira – Historiador, professor e ativista social

 

 
NOTÍCIAS

 
COGECOM: Cooperativa vai doar energia a escolas e unidades de saúde
  O atual momento de crise para toda a sociedade tem levado muitos a procurarem manifestar solidariedade, mesmo tendo de enfrentar seus próprios desafios

INTERCOOPERAÇÃO: Cooperativas começam a fazer a entrega de máscaras para entidades
  As sete cooperativas de diversos ramos sediadas em Maringá (PR), que na semana passada anunciaram a união de esforços e recursos para custear a produção de 20 mil máscaras destinadas a suprir entidades assistenciais, já começam a fazer a entrega das primeiras quantidades

Cooperativas de costureiras podem obter financiamento da Afeam no Amazonas
  A Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) pode vir a abrir crédito para que cooperativas de costureiras e associações comunitárias produzam máscaras de tecido para combater o coronavírus (covid-19)

Instituto Unimed-BH faz doação de cestas básicas para pessoas em situação de risco e vulnerabilidade social
  Seguindo a vocação como agente de responsabilidade social em Belo Horizonte e região e em decorrência da pandemia do novo coronavírus, o Instituto Unimed-BH tem realizado diversas ações para apoiar a comunidade

Aprovada a inclusão de cooperados para o recebimento de auxílio emergencial
  A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (16/04), o Projeto de Lei 873/2020, que amplia as categorias profissionais que poderão receber o auxílio emergencial concedido pelo governo, alterando a lei 13.982/2020

Cooperativas se unem e realizam doação para caminhoneiros
  A união entre as Cooperativas Coonagro, Castrolanda, Frísia, Agrária, Cocari, Capal e Bom Jesus proporcionou uma bela ação de empatia e auxílio ao próximo

Cooperativas de Maringá produzem 20 mil máscaras para doação
  Fazendo jus à sinergia do segmento cooperativista de Maringá (PR), sete cooperativas de vários ramos diferentes se unem para apoiar entidades do município no enfrentamento da Covid-19

Pernambuco pode ter terceira usina gerida por cooperativa de canavieiros
  O investimento deve ser de R$ 6,5 milhões e geração de mais de 300 empregos diretos

No combate ao coronavírus, Coop doa alimentos e itens de higiene para fundos de solidariedade
  Como forma de amenizar o impacto social provocado pela pandemia do coronavírus, a Coop – Cooperativa de Consumo criou a campanha A hora é de Cooperar, com várias ações voltadas à comunidade.

SICREDI: Cinco dicas para economizar durante a pandemia
  Atualmente, 45% dos brasileiros não fazem controle do orçamento familiar e metade deles aprenderam sozinhos sobre como administrar as finanças, segundo pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL)